Menu fechado

tem quatro dias para saber como fazer a sua casa feliz

Intercasa
Intercasa

É já amanhã que arranca a 43.ª edição da Intercasa Living & Design, o maior evento de decoração do país que lhe ensina como tornar uma casa feliz com workshops e talks inovadores. Feng shui, quartos infantis e muito mais para ver até 13 de outubro na FIL.

Acontece a todos: herdamos uma cómoda pavorosa que era da avó e passamos anos a usá-la à força para não ferir sentimentos. Aqueles dois quadros de faisões mortos na varanda da sala? São tremendos, mas sempre ali estiveram e hão de estar. E as paredes que pintámos de roxo numa tarde de neura? Ou a cama de dossel que despachámos num impulso minimalista (e bem nos arrependemos)? Afinal de contas, o que faz com que casa seja o lugar onde somos felizes – uma expressão de quem lá vive –, muito mais do que apenas o sítio onde moramos?

“Há uma série de pontos que marcam a vida contemporânea e ditam o modo como concebemos e vivemos as nossas casas”, explica Maria João Arruda, gestora da Intercasa Living & Design – o principal evento de decoração nacional que começa já depois de amanhã na Feira Internacional de Lisboa (FIL), a decorrer até 13 de outubro.

Workshops inovadores, consultoria de profissionais e até sessões de bolachas são alguns dos pontos altos do evento que mais leva as pessoas para dentro de casa.

“Queremos que os nossos visitantes saiam da feira verdadeiramente inspirados em matéria de decoração, mas também que levem informação útil, dicas práticas e novas ferramentas para uma vida em casa com mais qualidade, mais leve e mais feliz”, acrescenta a responsável do certame, afamado pelos workshops inovadores, a consultoria de profissionais do setor e as living talks sobre organização, criatividade na inovação e harmonia na conceção dos espaços. Vale tudo menos sentir desconforto nas nossas próprias casas.

Isto porque estamos realmente a entrar numa nova era de vida caseira, em que os sentimentos associados à ideia de lar têm vindo a mudar bastante nos dois últimos anos, revela o relatório anual A Vida em Casa referente a 2018, conduzido pela IKEA junto de mais de 12 mil inquiridos online, em 12 cidades do mundo (Berlim, Londres, Moscovo, Mumbai, Nova Iorque, Paris, Xangai, Estocolmo, Sydney, Toronto, Zurique e Madrid).

Ainda segundo os dados da pesquisa internacional, uma em cada três pessoas confessa haver locais que a fazem sentir-se mais em casa do que o espaço físico (quatro paredes e um teto) que lhe serve de morada e ao qual não associa nenhuma experiência emocional por aí além – o oposto do que é suposto sentirmos quando pomos a chave à porta. Face ao desequilíbrio, uma larga maioria de 60% está preparada para construir um lar diferente daquele em que cresceu, capaz de satisfazer as suas necessidades de bem-estar interior.

Para isso serão explorados temas tão determinantes como as tendências de cor na decoração de interiores ou o impacto da cor dos ambientes no ser humano, a cargo do diretor do Portal Decor, José Cardoso. Catarina Braz, autora do blogue Design por Acaso, ensina como decorar um quarto infantil Montessori, em que as crianças possam brincar, aprender e evoluir de forma espontânea.

Mafalda Galambas e Vanda Boavida, ambas decoradoras e orientadoras das living talks, falam respetivamente das regras da criatividade na decoração e do papel do feng shui na melhoria da qualidade de vida das pessoas (através de um exemplo de sucesso que é a mansão equilibrada de Cristiano Ronaldo).

Não vão sequer faltar o método japonês de Marie Kondo (desvendado pela organizadora profissional Rafaela Garcez), design e artesanato para todos os gostos (de Filipa Belo, curadora da Portugal Manual) e sessões de showcooking dedicadas a bolachas, saladas de outono e refeições para a semana. No final, dificilmente restarão dúvidas de que a felicidade vem de dentro. De casa.

Artigo Original

Deixe uma resposta