Menu fechado

Motores turbo: por que voltaram à moda e como fazer manutenção em seu carro – Benê Gomes

Motores turbo: por que voltaram à moda e como fazer manutenção em seu carro - Benê Gomes

Esqueça aquela imagem dos carros turbinados, preparados por oficinas especializadas em transformar modelos de passeio em automóveis de alto desempenho. O turbocompressor voltou a brilhar sim, mas agora em modelos de passeio absolutamente comuns e que já saem de fábrica devidamente turbinados. Só que hoje, por outra razão: a palavra de ordem é a eficiência energética.

Entre as fórmulas desenvolvidas pela indústria para alcançar esse objetivo, a principal delas é que junta um motor menor acompanhado do turbocompressor, um jeito prático de compensar a potência menor do propulsor pequeno.

O sucesso está escancarado em nosso mercado com bons exemplos de carros compactos e subcompactos, como Hyundai HB20 ou VW up!, que fazem a alegria de seus proprietários com eficientes e potentes motores 1.0 turbo.

Bem, mas com essa popularidade crescente, surge agora a necessidade de colocarmos esse item na lista de manutenção preventiva. Isso porque o turbocompressor também precisa de cuidados para não perder a eficiência e nem comprometer outros componentes.

Benê Gomes/UOL
Imagem: Benê Gomes/UOL

Como ele funciona?

O turbocompressor é formado pela turbina, compressor, carcaça central e rotores. Basicamente, ele aproveita os gases de escape para girar o rotor da turbina que é ligado ao rotor do compressor. Com o movimento provocado pela turbina, o compressor aspira e pressuriza o ar, que chega em quantidade maior dentro dos cilindros. Isso garante a mistura mais rica na queima com o combustível e a tão esperada força adicional.

Olhando para o turbo a gente nota que se trata de uma peça muito robusta, mas ele pode quebrar, por exemplo, por falha no sistema de lubrificação ou um problema com o filtro de óleo. Caso alguma impureza ou resíduo chegue até o interior do turbo, isso pode danificar o eixo do turbocompressor e provocar o travamento das hélices da turbina.

Aliás, como lembra Cesar Alves, da Sady Motores, “a parte mais sensível do turbocompressor é o conjunto onde estão o eixo e as palhetas, exatamente o ponto onde o ar é admitido e comprimido”.

Benê Gomes/UOL
Imagem: Benê Gomes/UOL

Como evitar problemas?

Assim como todo o conjunto mecânico do automóvel, o segredo para não ter dificuldades com o turbocompressor é manter o hábito de fazer a manutenção preventiva do motor, neste caso, com muita atenção para os prazos de troca de óleo e filtros.

Como alertam os especialistas, o óleo é um item fundamental para funcionamento e conservação dos componentes do motor e do turbocompressor também. Caso perceba aqueles sinais comuns como ruídos, perda de potência e até mesmo fumaça saindo pelo escape, procure logo um mecânico; certamente vai evitar também o comprometimento do sistema de turboalimentação.

Usado em condições normais, como informam os fabricantes, o turbo acompanha a vida útil do motor. Então fique atento a esses pontos básicos:

– Confira o nível do óleo lubrificante regularmente
– Respeite os prazos de troca do óleo lubrificante e dos filtros de óleo
– Revise as condições do filtros de ar

Garantia de eficiência e prazer ao dirigir

Para atingir as atuais metas de consumo e de redução de emissões, a receita do motor pequeno e turbinado é algo indiscutível neste momento. Sem contar que automóveis equipados com esse conjunto entregam mais segurança e uma dose adicional e indiscutível de prazer ao dirigir.

Artigo Original

Deixe uma resposta