Menu fechado

Confira aqui como fazer para pagar valores atrasados do INSS

Veja aqui como fazer para pagar valores em atraso com o INSS

Confira aqui como fazer para pagar valores atrasados do INSS. O pagamento de contribuições pendentes ao INSS garante mais tempo de contribuição ao segurado e pode até antecipar o direito à aposentadoria. Fonte Jornal Agora

Os novos pagamentos ajudam a melhorar a média salarial e o cálculo da aposentadoria, mas é preciso ficar atento às regras de pagamento para não perder dinheiro.

Quem decide acertar as contas de contribuições antigas também precisa estar preparado para encarar juros e multas, pois essa cobrança é corrigida pela Selic, que é a taxa básica de juros da economia. Essa correção tende a deixar a conta salgada.

Os recolhimentos de dívidas de até cinco anos podem ser calculados no site da Receita Federal, que é o órgão responsável pelos recolhimentos. Antes de fazer o pagamento, o segurado consegue fazer a simulação de quanto deve no site da Receita Federal, pelo Sistema de Acréscimos Legais (SAL). 

Nessa página, ele vai informar sobre qual salário devem ser calculadas as contribuições em atraso e o período, considerando um mês inicial e um final. É importante ter o cuidado de não gerar a guia de pagamento se não tiver a intenção de fazer o pagamento, ou estará declarando o reconhecimento de uma dívida.

Nesse sistema da Receita é possível consultar os valores para dívidas mais antigas, mas o cálculo será diferente. O valor pago corresponderá a 20% da média das 80% maiores contribuições desde julho de 1994. Depois, será acrescida multa de 10%, além de 0,5% de juros ao mês até o máximo de 50% sobre o total.

Veja as respostas às dúvidas mais comuns dos segurados do INSS. As sucessivas tentativas de mudar as regras para aposentadorias, pensões e demais benefícios administrados pelo INSS criam insegurança e dúvidas em quem está na ativa, prestes a se aposentar ou não.

Desde o início de 2019, o volume de buscas de informações sobre aposentadorias subiu 29% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo levantamento da ferramenta Google Trends, que analisa os assuntos mais consultados por meio do buscador. O balanço foi feito a pedido do Agora,que responde às dúvidas e explica como funcionam as regras do INSS. 

Algumas dessas pesquisas mostram a necessidade de mais informações sobre questões básicas, como o funcionamento do INSS e o significado de siglas bastante repetidas no noticiário sobre Previdência, como o Cnis e o PPP. O primeiro é o cadastro de contribuições dos trabalhadores, e o PPP é o formulário exigido pelo INSS para o reconhecimento dos direitos de quem trabalha exposto a agentes nocivos à saúde.

A primeira pergunta é essencial: “o que é INSS?” O levantamento também mostra uma frequência alta de dúvidas sobre as mudanças nas regras. A questão que mais aparece quando o tema é aposentadoria é: “O que muda com a reforma da Previdência?”.

Mesmo o trabalhador mais ligado às discussões de possíveis mudanças pode acabar confuso. A cada tentativa de alterar as regras, são muitas as versões, com idas e vindas, até o texto final e definitivo.

A proposta que está atualmente em discussão no Senado é a segunda a ser apresentada desde 2016, quando o presidente era Michel Temer (​MDB).

Antes dele, Dilma Rousseff (PT) propôs regras mais duras para pensão por morte, e Lula (PT) tentou criar uma idade mínima para as aposentadorias. O fator previdenciário, redutor dos cálculos das aposentadorias por tempo de contribuição, foi criado na gestão Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

A PEC (proposta de emenda à Constituição) enviada por Jair Bolsonaro (PSL) cumpre uma promessa da equipe comandada por Paulo Guedes, o ministro da Economia (que absorveu o extinto ministério do Trabalho e Emprego, a secretaria de Previdência e o INSS, antes ligado ao Desenvolvimento Social).






Artigo Original

Deixe uma resposta