Menu fechado

Como fazer para contribuir no INSS como autônomo?

INSS Previdência Pente-Fino Revisão Antencipação Salário Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Pis Pasep Pis-Pasep Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo MEi Consignado

Como fazer para contribuir no INSS como autônomo? O trabalhador com carteira assinada é considerado contribuinte obrigatório. A responsabilidade pelos recolhimentos, porém, é do patrão.

Além do desconto feito no salário do empregado, a empresa também recolhe sua parte nessa contribuição, que varia de acordo com o segmento. Em setores com desoneração, por exemplo, há um recolhimento único (que junta outros impostos) calculado sobre a folha de pagamento.

Mesmo os aposentados, se estiverem trabalhando com carteira assinada, terão o desconto da contribuição previdenciária nos salários. No entanto, para os aposentados esse pagamento não dá direito aos benefícios da Previdência Social, como auxílio-doença. Os aposentados têm direito apenas ao salário-família.

Quem trabalha por conta própria precisa fazer uma inscrição como contribuinte individual, pois também é considerado contribuinte obrigatório. 

Há ainda a contribuição facultativa, permitida a donas de casa, estudantes e outras pessoas que não têm renda formal, mas podem fazer recolhimentos ao INSS de modo a garantir a cobertura previdenciária.

A partir da primeira contribuição, os segurados levam de dez meses a um ano para começarem a ter o direito a benefícios. A exceção é o benefício por incapacidade gerado por acidente ou doença do trabalho.

Como pagar o INSS atrasado?

Como pagar o INSS atrasado? O pagamento de contribuições pendentes ao INSS garante mais tempo de contribuição ao segurado e pode até antecipar o direito à aposentadoria. Fonte Jornal Agora

Os novos pagamentos ajudam a melhorar a média salarial e o cálculo da aposentadoria, mas é preciso ficar atento às regras de pagamento para não perder dinheiro.

Quem decide acertar as contas de contribuições antigas também precisa estar preparado para encarar juros e multas, pois essa cobrança é corrigida pela Selic, que é a taxa básica de juros da economia. Essa correção tende a deixar a conta salgada.

Os recolhimentos de dívidas de até cinco anos podem ser calculados no site da Receita Federal, que é o órgão responsável pelos recolhimentos. Antes de fazer o pagamento, o segurado consegue fazer a simulação de quanto deve no site da Receita Federal, pelo Sistema de Acréscimos Legais (SAL). 

Nessa página, ele vai informar sobre qual salário devem ser calculadas as contribuições em atraso e o período, considerando um mês inicial e um final. É importante ter o cuidado de não gerar a guia de pagamento se não tiver a intenção de fazer o pagamento, ou estará declarando o reconhecimento de uma dívida.

Nesse sistema da Receita é possível consultar os valores para dívidas mais antigas, mas o cálculo será diferente. O valor pago corresponderá a 20% da média das 80% maiores contribuições desde julho de 1994. Depois, será acrescida multa de 10%, além de 0,5% de juros ao mês até o máximo de 50% sobre o total.





Artigo Original

Deixe uma resposta