Menu fechado

Como fazer a mudança climática virar uma boa limonada, analisa Julia Fonteles

Como fazer a mudança climática virar uma boa limonada, analisa Julia Fonteles

A maioria dos estudos sobre mudança climática, invariavelmente, chega à conclusão de que é muito mais barato adotar medidas preventivas para conter os efeitos do aquecimento global do que pagar o prejuízo causado por desastres naturais. Isso significa que se o preço para um mundo descarbonizado parece alto hoje, o custo para reconstruir danos causados pela mudança climática será muito maior. Mais do que isso, vários países já identificam que o clima é uma ótima oportunidade de investimento e crescimento econômico.

Pesquisas mostram que os efeitos do aumento na temperatura impactam diversos aspectos da sociedade. Entre os principais deles, a economia. Estudo realizado pela Universidade de Stanford, em 2015, mediu o impacto econômico da mudança climática em cada país até o ano de 2100. No Brasil, a mudança climática pode reduzir a taxa de crescimento do PIB em até 83%. O cálculo leva em conta o impacto da mudança climática nos principais fatores econômicos.

A agricultura está entre as atividades mais afetadas pela alta da temperatura e países que dependem da exportação de commodities, como o Brasil, têm as piores projeções. Já em países com o clima mais frio, economias diversificadas e mais desenvolvidos em questões climáticas como a Noruega, o efeito do aquecimento global estimado no PIB é zero.

Devido aos riscos associados à crise, a necessidade de mudar o status quo pode ser vista como um fator positivo para estimular o crescimento econômico. Dá para fazer desse limão uma deliciosa limonada. Encarar a crise climática como uma oportunidade, em vez de um fardo, resultará em impactos positivos para o crescimento do PIB. Com foco em inovação e tecnologia, é possível estimular o investimento privado e gastos públicos para movimentar capital e assegurar crescimento a longo e curto prazo.

O alto investimento em pesquisa e tecnologia aumenta o custo benefício de futuras inovações. Países como Estados Unidos, Japão, Noruega e Alemanha investem bilhões de dólares todos os anos para o aperfeiçoamento dessas técnicas. Na área de pesquisas e desenvolvimento, a Alemanha gastou, só em 2018, US$ 357milhões em energia renovável, US$ 283 milhões em energia nuclear e US$ 149 milhões em tecnologia de armazenamento.

Vale ressaltar que o investimento contínuo e duradouro em projetos de pesquisa e desenvolvimento nesses países ocorre justamente porque são tratados como projetos de longo prazo. Ao assumir o compromisso de inovação, é importante reconhecer que leva tempo para que o custo benefício dessas tecnologias valha a pena. Placas solares, por exemplo, levaram mais de 30 anos para desenvolverem sua capacidade de eficiência e se tornarem acessíveis para a população. Graças a incentivos de mercado e aos aperfeiçoamentos da tecnologia, a energia solar conseguiu atingir um preço competitivo, no ano passado.

Outro investimento a longo prazo é o capital humano. Nada adianta o desenvolvimento de tecnologias de ponta sem mão de obra qualificada. No Reino Unido, cursos de ensino superior em energia e meio ambiente estão cada vez mais concorridos. O engenheiro Arun Majumdar, professor na universidade de Stanford, acredita que cada vez mais universidades e escolas devam adotar uma noção básica de cursos sobre energia. Segundo ele, foram seus alunos que o incentivaram a se especializar em energia renovável. Majumdar diz que todos os jovens devem se preparar para encarar os novos desafios da economia.

O aumento nos investimentos públicos é outro fator que estimula o crescimento do PIB. Projetos de infraestrutura green geram novos empregos, aumentam o consumo privado e aceleram o movimento do capital. Além de oferecerem uma expansão a curto prazo, são extremamente necessários para assegurar a transição energética. No estado de Washington, no noroeste norte-americano, a revolução da indústria de energia eólica gerou novos empregos, atraiu investimentos e, atualmente, o setor está avaliado em US$ 6 bilhões.

Olhar para as medidas contra a mudança climática como uma oportunidade está fazendo a diferença em muitos países, essa é a lição a ser seguida. A busca por soluções oferece oportunidades viáveis de crescimento econômico. Uma alta em investimentos green, gastos públicos em infraestruturas sustentáveis e uma melhora na qualidade do capital humano têm efeitos expansivos para economia e para a qualidade de vida. Ignorar essa receita é apostar no atraso.


CORREÇÃO: Este texto inicialmente afirmava que a mudança climática podia reduzir o PIB brasileiro em até 83%. A informação estava errada: é a taxa de crescimento do PIB que seria impactada nesta proporção pela mudança climática.

O texto foi corrigido.

Continuar lendo

Artigo Original

Deixe uma resposta