Menu fechado

Com o sistema de freios não se brinca. Veja como fazer manutenção

Com o sistema de freios não se brinca. Veja como fazer manutenção

Você ouve barulho de ferro batendo com ferro quando pisa no pedal? Seus pedais estão duros ou tremendo ao frear? Se seu automóvel apresenta alguma dessas características, provavelmente há algo de errado no sistema de freios.

Ele é um dos itens mais importantes de um automóvel, responsável por minimizar a incidência de falhas e reforçar a segurança de todos e, por isso, necessita de uma atenção especial.

Com o sistema de freios não se brinca. Veja como fazer manutenção no equipamento
Com o sistema de freios não se brinca. Veja como fazer manutenção no equipamento

Funcionamento do sistema de freios

Manter o sistema de freios em ordem é mais que importante. A segurança é cem por cento garantida. Com o sistema corretamente verificado, pode-ser ter mais eficiência, por exemplo, em um caso de uma freada mais bruta, evitando um possível acidente mais grave.

Existem três tipos de freios: os convencionais, ABS e eletrônicos. Cada um com as suas vantagens vantagens e desvantagens. No caso do ABS, por exemplo, o funcionamento somente acontece em casos onde há uma freada de emergência. Ele é mais eficiente em situações como essas porque não há o travamento da roda quando acionado.

O sistema de freios consiste basicamente no pedal, seguido do servo freio que multiplica a força do condutor e aciona o cilindro mestre. Em casos que o carro tem o sistema ABS, o cilindro mestre transmite o fluido para e depois para as rodas.

A força de frenagem é dividida em 70 por cento nas rodas dianteiras e 3 por cento nas rodas traseiras. Essa medida é aplicada para que haja um equilíbrio da força ao forçar a frenagem.

Veja também: Extintor de incêndio pode voltar a ser item obrigatório para carros

Fluidos no sistema de freios

Outro item que não pode ser esquecido é o fluido de freio e como ele atua no sistema de frenagem. O líquido é uma substância higroscópica, ou seja, que possui a característica de absorver água do ambiente, e precisa ser acompanhada atentamente.

Dessa forma, com o passar do tempo, esse fluido retira a própria umidade do ar, modificando alguns componentes que há nele e interfere no ponto de ebulição. Recomenda-se é fazer a troca a cada 20 mil quilômetros rodados ou a cada dois anos

Cuidado com a chuva

Períodos de chuva são os piores para quem utiliza automóveis para trafegar nas avenidas. Isso porque ao passar por uma poça d’água, por exemplo, diversos itens podem ser seriamente danificados.

A água retira a lubrificação dos freios e, consequentemente, a mobilidade do sistema. Após passar por uma via alagada, é indicado acionar o freio levemente para o mesmo voltar a secar por conta própria.

É melhor prevenir do que remediar

Não há como prever quando o sistema de frenagem acusará problemas, porém algumas técnicas podem ajudar a fim de prolongar a vida útil do sistema.

Ao dirigir, segure firme o volante e pressione o pedal de freio gradativamente. Evite passar por vias alagadas. Caso ouça algum sinal estranho, não hesite em procurar uma oficina especializada

Leia ainda: Manutenção: Quando se deve trocar o óleo de câmbio?

Artigo Original

Deixe uma resposta